Como paisagem ao morrer o dia, o voar do ganso…

 

Como paisagem ao morrer o dia, o voar do ganso…

Português

 

 

Como paisagem ao morrer o dia, 
Tudo se esconde em sombra e erva esguia, 
Assim parece o tacto e o chão ermo
E falto, que me larga a mão e parte 

Na passagem do fim, para o norte fundo,
A chuva não vem longe, vem de través, 
Me segredam os dedos, ralos os cabelos
Que penteio, por dentre dez mil deles, redondos

Como a paisagem, o horizonte e a morte
A chuva não vem longe, acredita profundo, 
Acredito nos homens que não morrem de vez,
Acredito que o “Homem” não morre hoje,

A Terra está doente, não me embala
E eu sofro pelo mar em volta e em luto,
Pla Terra, pla flora e a chuva não vem, 
Nem chora, assim padecem meus olhos doendo,

Doente, eu e tudo, tudo se esconde 
Em sombra e erva podre,
Como paisagem ao morrer o dia, o mundo
Enfermo, tal como entre duas espadas

E o punho, a parede de ferro e brasa,
O feno, o funcho, o abrunho, o ouriço…
O voar do ganso mudo. 

Jorge Santos 08/2018
http://namastibetpoems.blogspot.com

Género: 
Top