Olhando

 

Olhando

Português

Da janela do meu quarto

Vejo um céu que me abraça

Pintado de branco imaculado e de vermelho fogo,

Já não sei se será do meu olhar

mas acho que é apenas pura criação

De um louco de beleza resplandecente

Que numa tela pintalgou de cor azul céu

E o mar igualmente coloriu com tons de vida,

E a noite com a lua a espreguiçar-se

Nasce de breu e escura, adormece languidamente

Em mim o desejo de nos olhos sentir,

O ser que a lua desenhou com a cor imensa

De uma paleta de pintor,

Abraça o céu que misteriosamente me ofusca

E empalidece a minha alma

De constante procura por aquele

Que a mim também desenhou...

Género: 

Comentários

Magnificat

Magnificat

Sorri, dormindo, minha alma! 
Sorri, minha alma, será dia ! 

Álvaro de Campos

Magnificat

Magnificat

Sorri, dormindo, minha alma! 
Sorri, minha alma, será dia ! 

Álvaro de Campos

chora alma minha pois de dor

chora alma minha pois de dor é o semblante que te anima...

ainda rascunho

Há palavras de vulgar despojo,
Pois porque o normal é dar, 
Eu me dou, de mim próprio tal
Como choro ou respiro e me redimo, 

Mortal despojo, nome de guerra, nojo,
Guerreiro de latão, só de incerteza
Tenho posse, chaves e certidão, desejo é
Bom-porto, porto-bom tem Zenão,

O silêncio é absurdo e o meu espírito
Paira longe, pois já não é só o pensar
Que me foge, eu que fujo de me pensar
Morto e mudo, cego debruçado em via-estreita,

Consciente da derrota, fama é lama e o facto
De ser dissemelhante a algum outro
Espécime de peixe-monge, faringe desfeita
E traqueia, difíceis de engolir, de pesar,

Há palavras de vulgar despojo, nojo
Porém me dá a fala sem emoção, "fio-prumo", 
Por isso choro, quando respiro
De fora para dentro...e me dou,

Cego debruçado em via-estreita, oblongo.

grande alma te anima, a minha

grande alma te anima, a minha perdeu-se na dor e nela todos os meus sonhos se desvaneceram...

...

...

...

...

Top