Primary tabs

Maria Helena Costa da Silva Botelho

Membro

Maria Helena Costa da Silva Botelho's picture
Offline
Last seen: 2 months 3 weeks ago
Joined: 14/10/2017 - 15:42
Pontos: 146

Gender

Data de Nascimento

20/05/1962

City

Country

Sobre mim

Animal humano com pretensões a ser angelical que, apesar de filantropo, padece de antropofobia. Com profundos sentimentos de amor pela Terra Mãe e por toda a vida nela existente.

Biografia

Vários poemas escritos ao longo da vida, aliás "vomitados", quando o coração não consegue manter-se calado em circunstâncias demasiado adversas neste percurso que apelidamos de vida.

Estatísticas do membro

  • user: Maria Helena Costa da Silva Botelho
  • Conteúdos: 68
  • Visualizados: 53750
  • Comentários: 10

Conteúdo

 

Sou

Dou por mim a pensar,

Renego a cultura humana

Esplendorosa arte que o animal humano constrói

Inventor de pensamentos, sonhos, memórias

Type: 
 

Incerteza

Não sei o que dizer

Se agonia, se esplendor

Apago a vida em mim

E em ti renasço sem dor.

O que o teu singelo rosto desenha

Sonhos sombrios como a minha dor,

Type: 
 

Esperando

Ainda não descobri porquê

Mas o mundo dói,

Tanta quimera por desvendar

A imaculada beleza deste singelo planeta

Estranhos e fugazes silêncios

Type: 
 

Poemar

Apetece-me poemar,

Com palavras sorrir e brincar

Cortar em mim as amarras desta brutal realidade

Que me agrilhoa, imunda de verdades por esverdear

Apetece-me sonhar,

Type: 
 

Encanto

Num reino há muito tempo sonhado

Type: 
 

A ti

Dei a vida que o meu ventre carregou

De sonhos imensos beijei a tua alma

E a vida de mim te arrebatou

Gélidos ventos teu rosto fustigaram

Type: 
 

Olhando

Da janela do meu quarto

Vejo um céu que me abraça

Pintado de branco imaculado e de vermelho fogo,

Já não sei se será do meu olhar

mas acho que é apenas pura criação

Type: 
 

Dias perdidos

Em mim os dias se perderam

Quimeras encontradas em sinuosos caminhos de dor

E de mim me perdi e esta sã loucura me invadiu

Da aurora que me amanhecia

Type: 
 

Sentimento

Breve estrada, tão longa eu percorri

Quimeras mil nela resplandeceram

E os meus olhos choram desventuras calcadas

Nesta imensidão de brumas desbravadas,

Type: 
 

Poema a uma pintura

Terra Mãe

De seu filho enamorada,

Esfusiantes voos de liberdade

Ansiosas asas que desejo desbravar,

Imenso mar por desvendar

Type: 
 

Procuro-me

Incessantemente me procuro e esta culpa que me atormenta

Ergue em mim uma cruz de espinhos verde esperança

Dolorosas recordações vivas em mim brotam

Type: 
 

Tempo

Apenas aquele som estridente e ininterrupto 

Aquela esfusiante energia de vida arrancada do tempo sem tempo 

E o teu olhar perdido na mágoa do mundo 

Type: 
Subscribe to Conteúdo
Top