Tpaquete

Membro

Fotografia de Tpaquete
Offline
Última vez online: há 5 anos 2 meses atrás
Membro desde: 11/11/2013 - 01:47
Pontos: 41

Género

Data de Nascimento

16-07-1991

Cidade

País

Biografia

PT:

Tiago Miguel Medina Paquete, 25 anos, residente na freguesia da Fajã de Cima, concelho de Ponta Delgada, na Ilha de São Miguel, Açores.

Publicou o seu primeiro livro de poesia “Obrigado a Ser Livre” através da Poesiafaclube em 2013, retratando diversos tipos de preconceitos, como a homofobia, o racismo, a xenofobia, entre outros.

Em 2014 publicou o “Rosa Branca” através da Artelogy, um drama familiar e romance homossexual, inspirando-se em si mesmo e nos momentos mais marcantes da sua vida, assim como nas pessoas de quem ama.

Ainda em 2014, participou através da Artelogy no “Calendário Artelogy 2014” com o seu poema “Preso, irei voar”.

No mesmo ano, ainda marcou as suas letras na “2ª Antologia do Poesia Fã Clube”.

Passado um ano, publicou o livro em formato garrafa “O Predador de Sonhos” em 2015, através da Artelogy, optando caminhar pela literatura mais sombria.

Em 2016 participou na "Antologia Artelogy Agosto 2016" em formato baú, como na "Antologia do Poesia Fã Clube Vol. II - Agosto 2016".

 

EN:

Tiago Miguel Medina Paquete, 25 years old, born in Fajã de Cima, Ponta Delgada, São Migulel island, Azores archipelago.

He published his first poetry book "Obrigado a Ser Livre" (Forced to Be Free) by Poesiafaclube in 2013, talking about different kinds of prejudice, such as homophobia, racism, xenophobia, among others.

In 2014 he published "Rosa Branca" (White Rose) by Artelogy, a family drama and a homosexual romance, inspired in himself and in the most important moments of his life, as well as the people he loves .

Still in 2014, attended, by Artelogy, in the "Calendário Artelogy 2014" (Artelogy 2014 Calendar) with his poem "Preso, Irei voar" (Trapped, I will fly).

In the same year, he marked his letters in "2ª Antologia do Poesia Fã Clube" (2nd Anthology of Poesia Fã Clube).

A year later, he published the book "O Predador de Sonhos" (The Dream Predator) in bottle shape, in 2015 by Artelogy, opting to walk through dark literature.

In 2016, he joined in the "Antologia Artelogy Agosto 2016" in handcrafted chest format (Artelogy Anthology August 2016) and also in "Antologia do Poesia Fã Clube Vol. II - Agosto 2016" (Anthology of Poesia Fã Clube Vol. II - August 2016).

Estatísticas do membro

  • user: Tpaquete
  • Conteúdos: 19
  • Visualizados: 43969
  • Comentários: 3

Conteúdo

 

Young Thinking, Old Soul

Once I was a young man who thought I ruled the World, who knew it completely, who drew it on my own way

Ah... Yes...

Género: 
 

Sentir-se Jovem, Ser-se Homem

Fui um jovem que pensava que dominava o Mundo, que o conhecia de todo, que o desenhava à sua maneira

Ah... Sim...

Género: 
 

Finjo Como Sonho

Nada como uma palavra por escrever
Nada como nada, nada por me preencher
Penso e penso até nada esquecer
Ah... vazio de nada, vazio de viver

Género: 
 

Letras entre Correntes

Pensador entre correntes
Frágil olhar, rasgo a minha alma, que tanto me magoa
Que bom é sonhar, que fácil é duvidar
Ai... esta minha alma entre céus voa

Género: 
 

Letras entre Correntes

Pensador entre correntes
Frágil olhar, rasgo a minha alma, que tanto me magoa
Que bom é sonhar, que fácil é duvidar
Ai... esta minha alma entre céus voa

Género: 
 

Escritor da Minha Própria Ruína

Não amei-me o suficiente para deixar alguém amar-me

Será que para valorizarmos os bons momentos, temos que passar pelos piores (inevitáveis)?

Género: 
 

Escritor da Minha Própria Ruína

Não amei-me o suficiente para deixar alguém amar-me

Será que para valorizarmos os bons momentos, temos que passar pelos piores (inevitáveis)?

Género: 
 

Uma Palavra em Livros Nunca Revelados

Sou um sonho destruído, uma ferida cicatrizada, uma lágrima por memórias inevitáveis, um desejo não desejado.

Sinto que não perdi nada mas que algo continua a faltar.

Género: 
 

Palavras que me aborrecem

Tanto me despreza este aborrecimento
Dias que me cansam
Olhar que criei fingimento
Pensamentos que me enganam

Género: 
 

Cansaço D´Alma

Não escreverei o que não penso, não pensarei no que não digo
Cansaço de alma, tormentado pelas palavras que não direi
Fugitivo do dia, pensador da noite

Género: 
 

Alimenta-te do Suor do Meu Corpo

Esta noite, libertarás os teus mais profundos desejos
Respirarás entre os meus seios
Violarás todo o meu esquecimento
Quebrarás a minha alma de cimento

Género: 
 

Liberdade Surreal

Surrealmente, sinto o ódio invadindo-me o corpo, cada simples palavra sabe-me como uma brusca facada. 
Penso... serão honestas? Sentidas? 

Género: 
Subscribe to Conteúdo
Top