Primary tabs

Sandra Martins

Membro

Sandra Martins's picture
Offline
Last seen: 1 day 29 min ago
Joined: 25/10/2013 - 21:13
Pontos: 211

Gender

Data de Nascimento

26-04-1989

City

Country

Biografia

Sandra Martins nasceu a 26 de Abril de 1989 em Matosinhos. Escreve poesia desde criança, não tem grande génio literário, mas tem algo que só os grandes poetas têm: autenticidade.

'Negrume' é a sua primeira obra de poesia publicada pela Editora Corpos, que compreende três heterónimos _ Medusa, Ophelia e Teresa _ distintos ao nível da forma, musicalidade e intensidade. Os símbolos são vivos e exprimem uma unidade irredutível apesar da presença de diferentes heterónimos. Há diferentes dimensões da palavra, mas a palavra é só uma: a mesma estória, os mesmos lugares, a mesma gente. Ao mesmo tempo, o título 'Negrume' vem sublinhar uma certa obscuridade, desordem e complexidade que derivam do facto dos poemas compreenderem uma linha temporal comprida (desde os dezassete até aos vinte e quatro anos), diversas fases da vida e formas de ser e estar no mundo com níveis distintos de maturidade. 'Negrume' é, ainda, ausência de compreensão que é própria da poesia em geral e, em particular, deste livro cujas palavras são demasiado espontâneas e inquietas na busca de dizer o indizível, o demasiado humano. Negrume significa, por fim, uma tendência para a tristeza, a nostalgia, a melancolia, a violência, a solidão, o delírio…'Negrume' é negrume!

Âncoras de Bemol é a sua segunda obra de poesia que resulta de um desafio feito pela comunidade Poesia Fã Clube _ um concurso de poesia aberto aos escritores amantes da poesia. Esta obra mantém a estrutura de Negrume no que se refere à presença dos heterónimos. Contudo, não tende tanto para a tristeza ou a melancolia. É quase um grito de esperança numa fase de ciência positivista. É força, coragem, teimosia. Há quem diga que é mais madura esta obra...Não sei se assim será, sei que é uma obra marcada pelo espírito da criança. Âncoras de Bemol exprime o quotidiano de forma espontânea, leva-nos a cair diante de um abismo que nos é familiar: está no limiar entre o que somos e um qualquer paraíso perdido.

'Depois da chuva' é o terceiro livro e representa uma nova vida. A voz Sandra Martins, a voz-não-escritora junta-se a Medusa, Ophelia e Teresa. Mas, esta nova voz não é o mais importante deste livro. 'Depois da chuva' é o que é por causa do amor, o primeiro amor. É a paixão, a desgraça de não ser mais possível encontrar um momento mais feliz. Linhas retas, sons mais suaves e ideias simples. A voz da não escritora é a antecâmara deste livro como a morte é, por vezes e simplesmente, a antecâmara da vida. E esta voz está, na verdade, presente em todos os heterónimos. As palavras de 'Depois da chuva' são mais fluídas e imediatas do que em qualquer outro livro.

‘Só uma nuvem’ é a quarta obra de poesia e a maior fonte de esperança. Aqui, todas as vozes (Medusa, Ophelia, Teresa e Sandra) revelam uma atitude positiva em relação à vida cheia de mistérios e adversidades. Não se trata de aceitar a vida como algo que vale a pena pelos momentos raros de felicidade que proporciona, mas antes a ânsia de dominar o destino e conquistar a liberdade e a dignidade a partir de uma vontade interior, que é superior a toda e qualquer forma de poder. O que está, aqui, em jogo é reconhecer o nosso papel como criadores do universo e recusar a mesmidade, o imediatismo e a aparência. Aceitar a fragilidade, o medo e o erro de maneira a resistir sempre. Este livro existe além do amor e do ódio, do bem e do mal, do belo e do feio: acolhe o ser humano tal como ele é para nunca desistirmos de lutar pela nossa individualidade - esta é a mensagem e missão deste livro.

Além dos livros, podem contribuir como patronos em https://www.patreon.com/Dara21?fan_landing=true

Estatísticas do membro

  • user: Sandra Martins
  • Conteúdos: 95
  • Visualizados: 144351
  • Comentários: 21

Conteúdo

 

Farol no escuro

Vejo-te ao longe

Como um farol no escuro

 

Não preciso de saber

De que lado vens

Ou as coisas que trazes contigo

 

Se voltas daquela noite

Type: 
 

Vento

Canto

Para que o vento

Leve o meu coração

De penas ao passado

Uma outra vez

Somente

 

Aquela mão

De calos e rosas

Nunca abandonou

Type: 
 

Nunca hoje

Longe

O sismo da morte

Pode habitar-me

Além da sorte 

Dos pássaros

Nunca hoje

 

Outra idade

Eleva-se ao tapete

Dos sonhos

Type: 
 

O plátano de Miguel Torga

Era uma árvore milenar

Que conhecera todas as cores

Até o transparente do ar

 

Aí estavas sempre sentado

A escrever por cima dos silêncios

Type: 
 

Estrelas

Tombo para as estrelas

Que dormem

Sobre planetas de cal

Acesas nos poemas

Que chegaram ao fim

Sem a dúvida

De que envelhecemos

Em grãos de sal

Type: 
 

Goivos

Espero

Todos os dias

Encontrar goivos

No meu jardim

Pintar o muro

De branco

No último dia 

De Inverno

Para lembrar 

Que aí moro

Type: 
 

Outro dia

Solto o meu baloiço

De sonhos

Sobre terra de mel

Uma abelha voa a prumo

Bate as asas ao sabor

De uma vida completa

Que eu transcrevo e apago

Type: 
 

Eternizar

Para que te possa

Eternizar

Dentro de mim

Somente

Regresso

Na promessa

Dos pássaros

Que arbitrariamente

Soltam a semente

Type: 
 

Garrafa de vidro

Vivo

Para esfiar 

O sol de inverno

Que abandonaste

Sobre os pés descalços

Dos deuses

Que esqueceram

O inverso de si

No lugar

Type: 
 

Mar terreno

Eras o mar terreno

Que eu precisava

 

Por isso engoli

Todo o sal

Da minha saliva

Na poesia

Que ainda me restava

Ao sabor do vento

Type: 
 

A minha cama

Abro a minha cama

Sobre as estrelas

 

Uma luz dilui-se

Ao bater do meu coração

Descalço para o adeus

 

Outra idade eleva-se

Type: 
 

Os ossos das flores

Levo os ossos 

Das flores

Submersa

No calor

De uma noite morna

Que leva a promessa

Das pétalas

Que se renderam

Ao vento 

Type: 
Subscribe to Conteúdo
Top