Sandra Martins

Membro

Fotografia de Sandra Martins
Offline
Última vez online: há 1 dia 1 hora atrás
Membro desde: 25/10/2013 - 21:13
Pontos: 211

Género

Data de Nascimento

26-04-1989

Cidade

País

Biografia

Sandra Martins nasceu a 26 de Abril de 1989 em Matosinhos. Escreve poesia desde criança, não tem grande génio literário, mas tem algo que só os grandes poetas têm: autenticidade.

'Negrume' é a sua primeira obra de poesia publicada pela Editora Corpos, que compreende três heterónimos _ Medusa, Ophelia e Teresa _ distintos ao nível da forma, musicalidade e intensidade. Os símbolos são vivos e exprimem uma unidade irredutível apesar da presença de diferentes heterónimos. Há diferentes dimensões da palavra, mas a palavra é só uma: a mesma estória, os mesmos lugares, a mesma gente. Ao mesmo tempo, o título 'Negrume' vem sublinhar uma certa obscuridade, desordem e complexidade que derivam do facto dos poemas compreenderem uma linha temporal comprida (desde os dezassete até aos vinte e quatro anos), diversas fases da vida e formas de ser e estar no mundo com níveis distintos de maturidade. 'Negrume' é, ainda, ausência de compreensão que é própria da poesia em geral e, em particular, deste livro cujas palavras são demasiado espontâneas e inquietas na busca de dizer o indizível, o demasiado humano. Negrume significa, por fim, uma tendência para a tristeza, a nostalgia, a melancolia, a violência, a solidão, o delírio…'Negrume' é negrume!

Âncoras de Bemol é a sua segunda obra de poesia que resulta de um desafio feito pela comunidade Poesia Fã Clube _ um concurso de poesia aberto aos escritores amantes da poesia. Esta obra mantém a estrutura de Negrume no que se refere à presença dos heterónimos. Contudo, não tende tanto para a tristeza ou a melancolia. É quase um grito de esperança numa fase de ciência positivista. É força, coragem, teimosia. Há quem diga que é mais madura esta obra...Não sei se assim será, sei que é uma obra marcada pelo espírito da criança. Âncoras de Bemol exprime o quotidiano de forma espontânea, leva-nos a cair diante de um abismo que nos é familiar: está no limiar entre o que somos e um qualquer paraíso perdido.

'Depois da chuva' é o terceiro livro e representa uma nova vida. A voz Sandra Martins, a voz-não-escritora junta-se a Medusa, Ophelia e Teresa. Mas, esta nova voz não é o mais importante deste livro. 'Depois da chuva' é o que é por causa do amor, o primeiro amor. É a paixão, a desgraça de não ser mais possível encontrar um momento mais feliz. Linhas retas, sons mais suaves e ideias simples. A voz da não escritora é a antecâmara deste livro como a morte é, por vezes e simplesmente, a antecâmara da vida. E esta voz está, na verdade, presente em todos os heterónimos. As palavras de 'Depois da chuva' são mais fluídas e imediatas do que em qualquer outro livro.

‘Só uma nuvem’ é a quarta obra de poesia e a maior fonte de esperança. Aqui, todas as vozes (Medusa, Ophelia, Teresa e Sandra) revelam uma atitude positiva em relação à vida cheia de mistérios e adversidades. Não se trata de aceitar a vida como algo que vale a pena pelos momentos raros de felicidade que proporciona, mas antes a ânsia de dominar o destino e conquistar a liberdade e a dignidade a partir de uma vontade interior, que é superior a toda e qualquer forma de poder. O que está, aqui, em jogo é reconhecer o nosso papel como criadores do universo e recusar a mesmidade, o imediatismo e a aparência. Aceitar a fragilidade, o medo e o erro de maneira a resistir sempre. Este livro existe além do amor e do ódio, do bem e do mal, do belo e do feio: acolhe o ser humano tal como ele é para nunca desistirmos de lutar pela nossa individualidade - esta é a mensagem e missão deste livro.

Além dos livros, podem contribuir como patronos em https://www.patreon.com/Dara21?fan_landing=true

Estatísticas do membro

  • user: Sandra Martins
  • Conteúdos: 95
  • Visualizados: 144357
  • Comentários: 21

Conteúdo

 

Sonho

O sonho é um ilha

Que mesmo coberta não se desfaz

 

Pudesse eu desflorar-me na areia

Do teu castelo e aí vencer

Como uma flecha em veneno

 

Género: 
 

Palavra de mãe

Aprendi

ao sabor do limão

 

Nenhuma ferida

levou o sonho

 

Partiu de mim

a vida

 

De tão reunida

à palavra de mãe

Género: 
 

Já não sabíamos morrer

Entre o dia e a noite

Nos beijámos

Sem procurar a doçura dos frutos

Nos unimos

E adormecemos no mesmo corpo

(o nosso)

Que sente tudo

Género: 
 

Folha de Outono

Assinala o equador

Do meu umbigo

E pernoita nele

 

Como uma folha de Outono

Que seca no meio de um livro

Género: 
 

Tudo como dantes

Sei do trigo

Para onde vai

 

Adivinho

O vento do sul

 

Antecipo

Tudo como dantes

 

Porque dói tanto então?

Género: 
 

Outra luz, outra sombra

Outra luz

Que não peço nada

Nem procuro

 

Outra sombra

No começo de tudo

Que não aviso

Nenhuma lembrança 

Género: 
 

Espelho das horas

Adivinho o espelho

Das horas

Pendente

No dia puro

Que me deixaste

Para conhecer

Todas as sombras

Género: 
 

Cidade

Cidade

Sem nome

Agora

Que já não

Te confio

As minhas horas

De liberdade

Sem sobreiros

Para erguer o sol

E cavada de 

Género: 
 

Como o Outono

Vejo-te

Como o Outono

A chegar

De poucas vestes

E sem maquilhagem 

Género: 
 

Goivos

Algo me diz

Que estás aqui

À peneira

Dos goivos

Do meu jardim

Género: 
 

Equador

Esta cidade, esta gente

Um sismo na horizontal

Atropela-nos aos dois

Eu e tu, iguais na vertical

Mesmo o amor 

Não sendo suficiente

É maior do que eu

Género: 
 

Falas agudo

O que falas agudo

Calas nos graves

 

O compasso

Está parado

 

É vasto o silêncio

Fechado para fora

E para o fundo

Género: 
Subscribe to Conteúdo
Top